domingo, 20 de agosto de 2017

Leão da Metro no Festival de Cinema de Gramado

O Cavaleiro da Bandana Escarlate

pinheiro e montanhas no Vale do Quilombo. photo: jfinatto
 
Alguns hão de sentir encanto em sair do cálido quarto de hotel, abandonar a leitura de Em busca do tempo perdido, mergulhar na paisagem gelada e nevoenta de Gramado, e assistir filmes no famoso Festival de Cinema serrano. Não é, sinceramente, meu caso. Prefiro o aconchego do grosso cobertor de lã, um café quente e a vista para o Vale do Quilombo.
 
No hotel onde estou hospedado há tantos astros, estrelas, diretores e gente envolvida com cinema, que até um anônimo como eu chama a atenção.
 
Tenho participado, involuntariamente, de variadas rodas sobre temas relacionados ao mundo da grande tela. Não que eu faça questão. Sou ao natural um sujeito tímido e pouco falante. Prefiro sempre ouvir a falar. Não por modéstia, não, mas por falta do que dizer.
 
Ocorre que me pegam pelo braço no corredor, no café, no jardim, como se fosse um deles, e me levam pra lá, pra cá, em salas temáticas da Sétima Arte. Talvez o cabelo branco, os óculos com lentes de fundo de garrafa, a aparência vetusta façam presumir alguém que não sou.  

A vida me ensinou que, neste ambiente cinematográfico, não é de bom tom perguntar-se o nome das pessoas. Supõe-se que, entre nós, celebridades, existe o sempre desejável, esperável e jamais desprezível reconhecimento.
 
A mim deram para chamar, nos últimos dias,  de Carlos, o Carlinhos do 707. Eu, que até então era um ilustre ninguém, pertenço agora à malta.

Sou um peixe navegando nessas marés montantes, adapto-me com certa facilidade às vicissitudes. Sobrevivo no festival como o leão da Metro, um leão idoso, desses de circo, que nenhum risco oferece e talvez por isso desperte simpatia ou pena. E sempre gostei deste nome, Carlos! Já agora me sinto à vontade com a nova identidade.
 
Um diretor famoso (no festival todos os diretores brasileiros são, na falta de melhor definição, famosos) cismou de achar que, no início da carreira, trabalhou como meu assistente num filme. Disse aos presentes - pedindo que eu levantasse da cadeira, no fundo da sala - disse que eu lhe dei a primeira oportunidade.

Espantado, eu quis dizer que não, que não era assim, ele estava me confundindo com outra pessoa. Mas o famoso diretor imediatamente me interrompeu e retrucou:
 
- O velho e digno companheiro Carlinhos de sempre! Além de tudo, um homem humilde!
 
A assistência aplaudiu de pé, com grande entusiasmo. Limitei-me a esboçar um breve aceno e, falso modesto, deixei a sala, curtindo o momento de glória. Aproximaram-se repórteres querendo a entrevista fatal. Eu disse que ia passar no quarto e já voltava. Não saí mais.

photo: j.finatto
_____________
O Cavaleiro da Bandana Escarlate, menestrel medieval, faz a cobertura do Festival de Cinema de Gramado para o blogue. Como não tem mecenas, paga as suas despesas, inclusive o ônibus.
Texto revisto, publicado antes em 10.8.2011. 

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Um quadro de Chagall

Jorge Finatto
 
Over the Town, Marc Chagall, 1918. Tretyakov Gallery, Moscou.
 
UM LEITOR observa que os personagens das minhas fotos aparecem sempre ou quase sempre soltos no ar, muito acima do território chão dos mortais. Parecem fugir do mundo e nesse querer revogam a força da gravidade.
 
Os seres e coisas dos meus textos e imagens falecem de peso para estar no mundo. Têm dificuldade de pisar os duros caminhos da realidade. Anelam viver além daquilo que os aprisiona e faz sofrer. Anseiam pela liberdade e amplitude dos altos voos. Mas sabem que, para merecer o sonho, é preciso uma lúcida revolta contra o hospício.
 
Lembram aquelas figuras esvoaçantes das pinturas de Chagall, levitando acima dos vilarejos pobres. Quem não desejou,  alguma vez, pairar sobre os nadas da existência como um personagem lírico de Chagall? Voar desse mundo. Habitar outra esfera. Quem não quis rasgar as grossas correntes que nos prendem ao calabouço do cotidiano, sem janelas para a vida?
 
O que eu sei, raro leitor, é que é preciso dar um chute no traseiro da morte, bater a porta na cara da morte, expulsar a presença-morte. Acho que é isso que os meus personagens, voláteis ou não, querem dizer.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Primavera manda notícia (e diz que vem)

Jorge Finatto

photo: jfinatto

ULTIMAMENTE, no Brasil, as pessoas cansaram de falar da realidade. Nunca se ouviu tão grande silêncio nas ruas, nas bocas, dentro dos corações. Há algo de perturbador nesse silêncio, porque não se sabe no que vai dar.

O fato é que o dia a dia do brasileiro está entranhado de desespero.

A corrupção com dinheiro público e suas dramáticas e incontornáveis conseqüências invadiram nossas vidas. Mais de 50 mil homicídios por ano.* Corpos esquartejados são encontrados nas ruas e lixeiras das cidades. Não há presídios em número suficiente para os criminosos. Os existentes estão em péssimas condições, desumanizam ainda mais quem lá entrou para se "ressocializar". A maior parte dos crimes violentos fica sem punição, porque faltam recursos para segurança. A impunidade cresce de forma assustadora.
 
Não há investimentos dignos em escolas, hospitais, creches, transportes, energia, infraestrutura, programas sociais, etc. Tudo isso que depende do Estado e é necessário para a vida de todos fica eternamente adiado. O dinheiro que falta tomou outros e obscuros rumos.
 
A população está perplexa e calada. Vivemos um cenário de devastação de valores éticos. O que a má política e o poder sem freios fizeram com o Brasil é assombroso. À esquerda e à direita não se vislumbram saídas. O sistema politico, ao invés de encaminhar as demandas da sociedade, só reproduz os próprios interesses.

A vida em sociedade está sob risco entre nós.
 
Mas há quem sustente que as instituições estão funcionando. Não sou tão otimista. Nem sei o que pensar quando leio nos jornais a direção que as coisas estão tomando nas mais altas instâncias de poder. Ou serei eu que não entendo nada e só falo algaravias?
 
No entanto, os primeiros sinais da primavera já se fazem sentir nas ruas do meu bairro. É pra breve, setembro anda aí. Mas como falar em primavera, seu colorido e leves cheiros, em tempos de devastação e profunda descrença no futuro?

De qualquer modo, as flores informam que não vão hibernar e apodrecer no inverno da nossa desesperança. Que venha, pois, a primavera, digo eu, enquanto caminho nas ruas do bairro. E venha logo com toda força de que for capaz. 
_________ 
 

sábado, 5 de agosto de 2017

Van Gogh: a vida em amarelo

Jorge Finatto
 
Girassóis, 1889, Van Gogh, Van Gogh Museum, Amsterdam
 

A PINTURA DE VAN GOGH expressa o grito de um animal ferido, desesperado na selva do mundo. Alguém que não podia suportar a realidade e encontrou na arte um meio de sobreviver e fugir do grande nada que o cercava. Não conseguindo sustentar-se, vivendo na eterna dependência do irmão mais moço, Theo (também ele com dificuldades financeiras), o dia a dia era para ele uma jaula com raras oportunidades de movimento.
 
Aí entra  a pintura, a composição obsessiva de um quadro após outro, única maneira de sentir-se útil e esperar algum reconhecimento (que quando chegou, de forma inequívoca, no Salon des Indépendants, de Paris, em março de 1890, não lhe disse muita coisa, pois já estava concluindo a travessia da dolorosa ponte que o levaria à morte em julho daquele ano). A literatura era outro caminho de fuga. Não apenas escrevia muito (cartas basicamente) como lia bastante.
 
Os últimos três anos da vida de Van Gogh (1888 - 1890) foram extremamente produtivos. A explosão das cores. A vitória do talento sobre a pobreza e o abandono. A criação alcançou a plenitude do gênio. Por outro lado, os acontecimentos de Arles (cortou com navalha a orelha esquerda após desentendimento com Paul Gauguin), as sucessivas internações hospitalares, as discussões, a rejeição da comunidade local a esses e outros eventos que o envolveram, acabaram por desestruturá-lo mais ainda internamente. À doença psíquica (nunca esclarecida e nem tratada a jeito) junta-se a miséria material.

Autorretrato, 1887. Van Gogh Museum
 
Van Gogh era um homem visceralmente carente e sentimental. Tinha o temperamento muito difícil e explosivo. Conviver com ele não era tarefa fácil.

A esses traços soma-se o artista superdotado e autodidata, possuidor de extraordinário poder de observação. Alquimista das formas e das cores, nas suas mãos o mundo transmutava-se em ofuscante e singular beleza.
 
Ser feliz não fazia parte do seu cotidiano, salvo quando criava, ou nos eventuais momentos de calmaria. As crises sucediam-se qual as rajadas do impiedoso Mistral que, seco e frio, leva tudo por diante, incomoda ao bater portas e janelas, ao levantar saias e desfazer cabelos, varrendo as folhas do outono. (Não poucas vezes perdeu o chapéu de palha na passagem do vento cortante.)
 
A tudo ele enfrentou e respondeu do único jeito que sabia e podia: no silêncio da tela, com o mistério e a força de sua paleta, ao ar livre, perto da natureza, nos dias de trabalho longe da ingente loucura, sua e dos outros.
 
O amarelo foi talvez a mais alta paixão de Van Gogh, a que correspondeu e jamais o traiu. La vie en jaune. A obra que nos deixou é o testemunho vivo de que, apesar de tudo, havia  doçura, amor e esperança em seu coração. A vida em amarelo num mundo de sombras.
 

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Maison de Van Gogh

Jorge Finatto

O quarto de Van Gogh. photo: Maison de Van Gogh*

Encaminhei à MAISON DE VAN GOGH imagens e textos que tenho publicado sobre o artista. Recebi a manifestação a seguir, que muito me encanta por constatar que nós, admiradores da obra de Van Gogh, somos uma numerosa família ao redor do planeta. E que, em nosso coração, não existe lugar para egoísmos. Pelo contrário, o que mais queremos é compartilhar a herança espiritual do grande pintor.
 
 
Obrigado Monsieur Finatto !
 
Nous avons partagé votre article sur la page Facebook de la Maison de Van Gogh. Nos amis portugais et brésiliens seront ravis de vous lire.
 
Bien cordialement
  
Auberge Ravoux dite Maison de Van Gogh
Tel. : 33-(0)1 30 36 60 60
facebook-logo_officiel Maison de Van Gogh
 
 
A todos que se interessam pela obra e pela vida de Van Gogh, recomendo uma viagem à Auvers-sur-Oise e uma visita ao Auberge Ravoux (Maison de Van Gogh) onde encontrarão rico material biográfico sobre o gênio da pintura num ambiente de memória, calor humano e arte. 
 
Aos amigos da Maison de Van Gogh um fraterno abraço!
 

photo: jfinatto, 2007, Auvers-sur-Oise

 
Vincent van Gogh ne passa que 70 jours à Auvers-sur-Oise. Ce court séjour fut pourtant extraordinairement prolifique, puisque ce site pittoresque, ses habitants et ses environs lui inspirèrent près de 80 œuvres (...)*

Vincent van Gogh passou apenas 70 dias em Auvers-sur-Oise. Esta pequena estadia foi, no entanto, extraordinariamente prolífica, uma vez que este lugar pitoresco, seu povo e seus arredores inspiraram-no em cerca de 80 obras (...) **
___________

* Maison de Van Gogh:
http://www.maisondevangogh.fr/fr/informations.php 

**tradução livre J.Finatto

sábado, 29 de julho de 2017

Um campo de trigo chamado Vincent

Jorge Finatto
 
Campo de trigo sob nuvens carregadas, 1890, Van Gogh Museum, Amsterdam¹
 
"Deve ser bom morrer sabendo que se fez algum trabalho de verdade e, portanto, viverá na lembrança pelo menos de algumas pessoas."
               Vincent em carta ao irmão Theo²
 
VAN GOGH (1853 - 1890) é o artista trágico  por excelência. O indivíduo rejeitado pela família e pela sociedade. Nele se resume o calvário existencial de um homem indefeso e ultrassensível, caído num mundo que insiste em maltratar a delicadeza, a simplicidade, a beleza e o talento natural.
 
O gênio maldito, que perambulou solitário de déu em déu, encontrou-se milhões de vezes sozinho por quartos, ruas, esquinas e estradas vazias, devorado pela saudade de um lar e de um amor humano que nunca teria e que o consumia por dentro.
 
De tanto sofrimento nasceu a luminosa obra que tem o poder de expulsar a treva da condição humana que habita nossas mentes e corações. E que diz: a vida é possível!
 
A obra de Vincent torna a existência um imenso campo de trigo onde a fertilidade, a transcendência e a felicidade da criação andam de mãos dadas. Nasceu, ficou 37 anos no planeta, e partiu. Mas não levou consigo os girassóis, trigais, camponeses, pontes, casas, praças, campos, retratos, céus, caminhos, jardins, mil paisagens, a alegria do olhar e do sentir. Generoso, entregou aos semelhantes o melhor de si.
 
Nos 127 anos de sua morte, neste 29 de julho de 2017, a memória doída, mas acima de tudo o carinho, o respeito, a admiração, a sentida homenagem ao artista.
 
__________
¹ Van Gogh Museum:
² Van Gogh, a vida. Steven Naifeh e Gregory White Smith. pág. 973. Tradução de Denise Bottmann. Companhia das Letras, São Paulo, 2012.

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Souvenir

Jorge Finatto
 
Autorretrato na exposição O último quarto de Van Gogh. photos: jfinatto
 
NÃO DEIXA de ser irônico que museus, governos, colecionadores, comerciantes e indústria cultural ganhem milhões e milhões de dinheiros todos os anos à custa de obra de Van Gogh. Enquanto isso, ele em vida padeceu na mais profunda pobreza. Rigorosamente nada usufruiu de seu trabalho, exceto os momentos de felicidade quando criava.
 
Hoje a venda de qualquer de seus quadros é capaz de garantir o sustento de uma pessoa e seus descendentes, em excelentes condições, para o resto da vida. Esse mundo não vale mesmo um cisco.
 
Duvido muito que Van Gogh conseguisse entrar, com suas roupas velhas, seu chapéu de palha e seus olhos de passarinho curioso, em alguns dos museus chiques que  expõem seus quadros. De início, ele não teria dinheiro para o ingresso. A aparência e o dinheiro continuam governando tudo. Não obstante, a malta se diverte nos museus e lojinhas de souvenirs.
 
Os que amam a arte merecem a obra de Van Gogh. Só eles são capazes de entendê-lo e acolhê-lo desinteressadamente no coração.