sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Deve ser primavera

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto, 25.8.2016

DEVE SER a chegada da primavera. E com ela os ares de um novo país.
 
Devem ser os primeiros sinais, quase uma promessa, de um setembro em flor com sua luz à flor da pele e da alma. Renasceremos do fundo das trevas.

Deve ser o avesso do ódio e do sectarismo.
 
Deve ser a urgente necessidade de transformação da vida ante o insuportável asco provocado pela podridão dos últimos anos.
 
Deve ser o cansaço absoluto diante do cinismo e da hipocrisia postos em palanque, todos os palanques, da nação.
 
Deve ser a réstia de esperança que insiste em brotar no coração. A teimosia do sentimento sobre a indiferença, da sinceridade sobre a mentira, da vida sobre o sofrimento.
 
Deve ser porque os pássaros voltaram a cantar e a comer bananas na sacada do escritório. Regressaram após sentida ausência para reafirmar o milagre da existência.

Devem ser essas passagens secretas que atravessam o invisível para um bosque de silêncio e paz.

Deve ser essa luz amiga a magoar a escuridão.
 

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Por quem choras, Maria Filipa?

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto. Amsterdam
 

Por quem choras, Maria Filipa?

Quem mastigou teu coração e depois cuspiu no fundo das águas?

Estás sentada ainda à beira do canal, na tarde de outono, em Amsterdam?

Me olhaste com os olhos mais tristes do mundo. Passageiro efêmero no barco casual, numa cidade distante e povoada de ausência, eu nada fiz naquela hora.

Eu estava de passagem entre um cais e outro, um canal e outro, um deserto e outro.
 
Devia ter me jogado nas águas turvas da tarde de domingo. Nada era mais importante do que ir ao teu encontro.

photo: j.finatto.

Devia ter ficado o resto do dia contigo, em silêncio, ali naquele banco, sem nada esperar. Exceto talvez dizer e receber um pouco de consolo.

A cara de anjo, o capuz azul da solidão, os olhos mais tristes do mundo, me olhaste.
 
Da minha solidão eu te acenei.
 
Foi tudo que fiz, um gesto na garoa fina. Por um instante tuas lágrimas diminuíram e pude perceber que teus olhos me seguiram. Depois tua cabeça caiu sobre o colo outra vez, onde as mãos pálidas repousavam.

O barco sumiu sob as pontes atravessadas pelos ventos de novembro. Eu dentro dele.
 
Entre dois cais, entre dois nadas.
 
photo: j.finatto
 
 _______________
Texto revisto, publicado antes em 16 de outubro, 2012.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

A música espiritual de Myriam Alter

Jorge Finatto
 
Myriam Alter*

FAZ ALGUNS ANOS  encontrei o disco Where is there (2007) da compositora e pianista belga Myriam Alter. Desde então está entre meus álbuns favoritos. Não me canso de ouvir. Parece que as músicas nunca são as mesmas.

Trata-se de artista de talento original e brilhante. Há algo de espiritual e misterioso em sua obra. As melodias dialogam com a interioridade de quem as ouve.
 
As músicas de Myriam são refinadas, líricas e sedutoras ao mesmo tempo. Com elas viajamos por desconhecidas esferas e para dentro de nós mesmos. O jazz se faz presente em sua arte, mas existem outras influências.

Há uma aura de estranhamento nessas adoráveis e por vezes hipnóticas composições. Piano, contrabaixo acústico, sax, acordeom, flauta, bateria, entre outros, criam uma  infinita dança de notas que se entrelaçam no ar.
 
A artista não produz em grande quantidade, no que faz muito bem. Ao contrário, prima pela qualidade. No site oficial encontrei seis discos. No youtube há peças de tirar o fôlego, como as dos discos If (2002) e CrossWays (2015). A inspiração e a construção altamente elaborada andam juntas em seu trabalho.

Não sei onde Myriam Alter vai buscar seus sons de diamantes e galáxias distantes. É um segredo. Mas o que importa é que, no retorno, ela nos entrega o melhor e mais profundo de sua viagem às estrelas e ao fundo do coração.

_________ 
Myriam Alter, site oficial:
http://www.myriamalter.com/
Myriam Alter, "If":
https://www.youtube.com/watch?v=-s5HNoooXEA 
*Myriam Alter: Cross Ways
http://jazzdagama.com/cds/myriam-alter-cross-ways/ 

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

O calepino de Dante

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto. Venezia


O mundo é muito pequeno, o mundo é um suspiro.
 
O VENTO geme como um bicho malferido nas esquinas, sacode as placas na rua, portas, janelas, enlouquece os ponteiros do relógio da estação de trem abandonada de Passo dos Ausentes.

Um lamento emana do interior do sino da igreja da praça.

Um cenário de filme de assombração. Aqui acontecem coisas do outro mundo.
 
Os fantasmas somos nós, habitantes dessas terras frias e invisíveis situadas nos Campos de Cima do Esquecimento.

Lá fora, a chuva molha a solidão da rua. Somos peixes no aquário, nadando de um lado para outro dentro de casa, tentando enxergar, sentir alguma coisa nesse enorme vazio. Peixes à procura de qualquer coisa mais que silêncio e oblívio. Agora que o inverno chegou.
 
Vivemos nessas remotas e íngremes alturas, no sul do continente, entre inóspitas nuvens.

Este lugar é a última estação antes do fim do mundo.

photo: jfinatto. Venezia

Os poetas sabem do que eu falo, não digo coisas inaugurais (quem me dera). Digo o trivial da humana condição e não mais do que isso: quireras.

Neste território pequenino existem coisas de espantar.

Um dia, não me lembro quando, andava eu numa fondamenta (caminho que vai à beira de um canal) distante e perdida de Veneza. Caminhava do meu jeito naquela cidade, isto é, olhando as coisas de perto por causa da difícil visão (óculos fundo de garrafa).

Naquela cidade tudo é insondável, úmido labirinto, e eu, quase cego, gosto de me perder em labirintos.

As janelas das casas daquela fondamenta, onde cheguei não sei como, tinham flores e cordas com roupas estendidas secando, mas não havia ninguém morando nelas. Uma doideira. O vento percorria o canal assobiando uma canção terna e delicada, sem começo nem fim.

Descobri, então, o vetusto casarão de uma livraria abandonada. A livraria ficava mais ou menos perto da Ponte de Rialto, no Grande Canal. Entrei lá abrindo uma porta escura e muito pesada, difícil de empurrar.

Canal veneziano. photo: j.finatto

Sentei numa cadeira de couro marrom diante de uma mesa. Ao lado um pequeno vitral amarelo e azul deixava penetrar um sopro de luz solar. Estantes repletas de livros se projetavam para o interior.

Descobri sobre a mesa um calepino de capa lilás.

Abri o caderno, quase encostando os olhos nele. Na terceira página estava escrito: Dante Alighieri, 1319. Li sem fôlego as primeiras anotações do mestre florentino.

Só então percebi do que se tratava, o tesouro que tinha em mãos: eram esboços de poemas misturados a notas de diário, rascunhos de cartas e pequenos desenhos.

A música que o vento tocava lá fora, me dei conta quase sem poder acreditar, era a Valsa dos Ausentes, de Pixinguinha.

O mundo é muito pequeno, o mundo é um suspiro.

Antes de sair da estranha livraria, guardei o calepino de Dante no fundo do meu alforje. Desde aquele insólito evento nunca mais nos separamos. Nunca antes contei esta história.

(Às vezes me pergunto se isso de fato aconteceu ou terá sido um sonho, o espírito aturdido por esses ventos andarilhos de Passo dos Ausentes, nas longas e inóspitas madrugadas.)

O calepino de Dante é o consolo que trago na vida. Quando o leio, como nessa hora longínqua, sentado na cadeira de palha diante da mesa do escritório, tomando café preto com biscoitos de polvilho, esqueço tudo de ruim.

O medo de morrer não encontra asilo nessa hora quase solene.
 
Nem tudo é solitude nesses caminhos.

Passagens luminosas habitam o breu.

Tem orquídeas e magnólias povoando o jardim lá fora. Ramos novos brotam entre as folhas secas.

Um tempo de busca-vida, este.

Esta página, notícia do invisível.
 
__________________
 
Texto revisto, publicado anteriormente em 10/12/12.
 

domingo, 14 de agosto de 2016

A sombra da esfinge

Jorge Finatto
 
photo: jfinatto, 14.8.2016
 

COMO ELE NUNCA teve pai para amar, sempre lhe pareceu que a coisa mais em falta no mundo não é dinheiro, nem ouro, nem diamante, nem qualquer outra, mas um abraço de pai.

Quando menino, era difícil explicar aquela ausência para os outros de sua idade. Na rua e na escola, as pessoas faziam perguntas, cara de admiração. Não ter pai era mesmo que não ter um braço, uma perna.

A sombra da esfinge o perseguiu pela vida. No dia dos pais, aniversários, natais, páscoas, reuniões da escola, fins de semana, noites e dias sem fim. A falta projetou-se nos seus sonhos e pesadelos.

Um dia descobriu que muitas outras casas também não tinham a figura misteriosa. Só que muita gente escondia isso. Estranho: escondiam um ser que, na realidade, não existia. Ocultavam o mito. Alguns possuíam apenas uma deprimente figura paterna, que mais atrapalha que ajuda.

Os sem pai já não eram exceção. Talvez fossem maioria.

Ficou nele a idéia de que as mulheres, e não os homens, fazem o mundo funcionar. São pais e mães de seus filhos.

Na verdade não chegava a ser um consolo, mas a consciência de uma espécie de mutilação social. Sim, falta o pai afetivo em grande parte das famílias brasileiras. Às vezes, havendo pai, é como se não existisse, por falta de aptidão para o papel.

Por causa disso, muita gente é seqüelada, inclusive eu - ele pensava enquanto caminhava com o filho pela mão, na praça do bairro, na tarde de domingo.
 
Pra ele, agora, todo dia era dia dos pais.
 
___________
 
Texto revisto, publicado em 16 de maio, 2013. 

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Livro da solidão (parte I)

Jorge Finatto

photo: jfinatto
 
Solidão
não é
uma ilha

solidão
são muitas
ilhas

solidão
amarela
do girassol

solidão
verde
da couve-flor

solidão
indecente
do corpo

solidão
unânime
dos juízes

solidão
na fila
do amor

solidão
na fila
do pão

solidão
na fila
do emprego

solidão
na fila
da justiça

solidão
na fila
da fila

solidão
decomposta
do morto

solidão
batom vermelho
da garota de programa

solidão
manta de lã
na mansarda

solidão
mais real
do presídio

solidão
do radinho
de pilha

solidão
atrás
da porta

solidão
em ascensão
no elevador

solidão
no fundo
do espelho

solidão
na tarde
de inverno

solidão
de quem ficou
na estação

solidão
do avião
sobre o mar

solidão
todas as cores
do domingo

solidão
do espanto
de existir

solidão
de quem diz
tchau

solidão
de quem ouve
adeus
 

domingo, 7 de agosto de 2016

A festa e a realidade

Jorge Finatto

Abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016. foto: Lucy Nicholson, Reuters.¹
 
A festa de abertura da Olimpíada Rio 2016 encheu os olhos e o coração. Me emocionei várias vezes, como a maioria dos brasileiros. Uma bela síntese do Brasil multirracial e multicultural, criativo, inspirador. O espetáculo mostrou um país rico em sua humanidade, capaz de notáveis realizações.
 
Ao mesmo tempo, é duro saber que o custo da festa, somado à de encerramento, será de R$ 270 milhões (cerca de 90 milhões de dólares), suportado pelos governos federal e municipal do Rio de Janeiro, conforme divulgado nos órgãos de imprensa.²
 
A rigor, o Brasil não poderia gastar com a realização dos Jogos Olímpicos neste momento. Poderia, talvez, se não tivesse afundado numa enorme crise provocada por péssima gestão e imensos desvios de dinheiro público com corrupção avassaladora dos últimos anos.

Em nenhuma hipótese, deveria ter assumido dois megaeventos, Copa do Mundo e Olimpíada, em curtíssimo espaço de tempo (2014-2016). Enquanto isso, "faltam recursos" para coisas essenciais. Grande parte dos brasileiros padece sofrimentos intoleráveis. 

A população do Rio e do Brasil (somos 250 milhões de habitantes) trocaria de bom grado as cores e o brilho dos Jogos Olímpicos por mais saúde, segurança, educação, bem-estar social, emprego, saneamento (a poluição assustadora da Baía de Guanabara é nosso cartão de visitas). A realidade brasileira é desumana.

Evidente que a Olimpíada não é culpada de nada. É apenas um passo errado no momento errado, que encerra um custo altíssimo e espelha uma nação sem rumo.
  
De modo que, junto com lágrimas de emoção, correm lágrimas de tristeza por constatar, mais uma vez, que, depois da festa, a casa voltará à sombra.
 
 _________